Decreto fecha comércio não essencial, suspende aulas e cancela cirurgias no Paraná

26/02/2021
/
220 Visualizações


Por Marcos Xavier Vicente


O governador Carlos Ratinho Massa Junior (PSD) anunciou na manhã desta sexta-feira (26) medidas duras para barrar o novo avanço da Covid-19 e evitar que o sistema de saúde entre em colapso.

Entre elas, está a suspensão do retorno às aulas, toque de recolher das 20h até as 5h do dia seguinte, suspensão de cirurgias eletivas (sem urgência) e autorização de funcionamento apenas do comércio de serviços essenciais. O novo decreto passa a valer sábado (27) e vai até 8 de março.

As medidas mais severas chegam após todo o sistema de saúde do Paraná ver os casos de infecção de coronavírus explodirem em apenas uma semana - a ocupação dos leitos Covid-19 está em 94% e algumas cidades, como Foz do Iguaçu, que já extrapolou o limite de internações essa semana e teve de de transferir pacientes para alas de outros tipos de atendimentos. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), a espera média diária por leitos explodiu nos últimos dias de 40 para 450 pacientes. Nesta sexta, foi registrado o maior número de pacientes aguardando leito: 578 pessoas.

"Fica aqui um pedido para as famílias paranaenses de compreensão. Quero a sensibilidade de toda a população porque precisamos tomar essas medidas mais duras para que as pessoas não fiquem sem atendimento médico na luta pela vida", ressaltou o governador no anúncio do decreto.

Além disso, a Sesa vai mais uma vez reforçar os leitos exclusivos de Covid-19. No total, 252 vagas serão abertas nos hospitais até 1° de março. Serão 99 leitos de UTI e 152 de enfermaria.

Só serviços essenciais
Com o decreto, estão permitidos de funcionar as indústrias e serviços essenciais, como supermercados, padarias, farmácias e postos de combustíveis. Restaurantes poderão abrir, mas atendendo apenas nas modalidades delivery, drive-trhu e balcão.

Igrejas poderão receber fiéis, desde que o atendimento seja individual ou atendimentos on-line. Quarta-feira (24), a fiscalização da prefeitura de Curitiba encerrou um culto evangélico no bairro Batel que aglomerava cerca de 2,5 mil pessoas.

Para evitar qualquer tipo de aglomeração, a Polícia Militar (PM), em parceria com as Guardas Municipais, vai reforçar o patrulhamento, principalmente de festas clandestinas. O governador vai se reunir na tarde desta sexta com o secretário estadual de Segurança Pública, coronel Rômulo Marinho, para montar esse planejamento. "Não vamos admitir desrespeito, com encontros clandestinos, festas com grande volume de pessoas em chácaras. Seremos extremamente severos, em especial com festas clandestinas", ressaltou Ratinho Jr. (Fonte: Gazeta do Povo)









COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS