Banco do Brasil sofre nova derrota e é obrigado a reintegrar auditor

25/02/2021
/
188 Visualizações

(Por Vicente Nunes)

O Banco do Brasil recorreu à Justiça, mas não conseguiu derrubar a determinação para a reintegração do auditor Aurieli Carlos Balestrini, que havia sido demitido por justa causa. A ordem para a reintegração do funcionário foi expedida em 10 de fevereiro pelo juiz substituto do Trabalho Rossifran Trindade Souza.

Balestrini foi reintegrado nesta quarta-feira (24/02). Ele foi demitido sem nenhum direito em agosto de 2020, acusado de irregularidades em um processo de desligamento de funcionários da instituição. Com ele, outro auditor, Alexander Pires, foi demitido e seis perderam as funções, sendo rebaixados a escriturário.

Ao ter os direitos reconhecidos pela Justiça, Balestrini se mostra aliviado e afirma que sua honra está sendo restabelecida. “Além de não ter havido fraude, o processo disciplinar foi conduzido de forma irregular. A decisão dá início à reparação da injustiça que fui vitimado e que ainda faz sofrer minha família e amigos. Além da minha honra que está sendo restabelecida, penso que a decisão faz acreditar na Justiça, e que não basta às pessoas terem poder para impor seus desejos e sofrimentos aos outros”, diz.

Presidente do Conselho sob suspeita
O Banco do Brasil confirma a reintegração de Balestrini a seus quadros, mas não revela em que função. Funcionários da instituição, que reconhecem a injustiça em relação ao colega, garantem que ele voltou como auditor, mas sem poder de decisão.

A percepção dentro do BB é de que toda a confusão criada em torno da demissão dos auditores — medida rechaçada pela Controladoria-Geral da União — tem um responsável: o presidente do Conselho de Administração do banco, Hélio Magalhães.

Magalhães está no alvo da CGU, que assumiu a responsabilidade de apurar o que realmente ocorreu no Banco do Brasil. Foi com base em um relatório do órgão que a Justiça mandou a instituição financeira a devolver o cargo de auditor a Balestrini. O presidente do Conselho de Administração do BB pode se preparar para uma boa dor de cabeça. (Fonte: Correio Braziliense)

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS