Outubro Rosa: campanha de conscientização é incentivo para mamografia

03/10/2022
/
251 Visualizações

Entre outubro e dezembro, nos últimos anos, número de mamografias aumentou em 33%, 39% e 22%, respectivamente

Estudo publicado recentemente apontou que a campanha de conscientização sobre o câncer de mama Outubro Rosa aumenta o número de mamografias realizadas em outubro e nos dois meses seguintes, no Sistema Único de Saúde (SUS). Os índices de alta são de 33%, 39% e 22%, respectivamente, de acordo com a pesquisa “Does Pink October really impact breast cancer screening?”.
 
O levantamento ainda aponta valores abaixo da média mensal nos demais meses. Não houve diferença considerando as diferentes regiões do país ou faixa etária. Foram analisados dados de janeiro de 2017 a dezembro de 2021, com comparação estatística dos quatro trimestres do ano.
 
De acordo com Andrea Cianfarano, radiologista da Clínica Imax, de Curitiba, o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura e torna o tratamento menos agressivo. “As campanhas de conscientização são indispensáveis, bem como a realização da mamografia conforme a indicação médica. Fazer os exames periodicamente é a única forma de detectar possíveis nódulos ainda no início, pois eles só se tornam palpáveis quando estão maiores, em casos avançados”, explica.
 
ESTÁGIO MAIS AVANÇADO
Pesquisa publicada no The British Medical Journal (2020) aponta que o risco de morte aumenta 13% a cada semana de atraso do início do tratamento e um levantamento feito pelo Hospital Erasto Gaertner, de Curitiba, instituição referência no tratamento para câncer no Paraná, mostra que os casos da doença aumentaram em 30% no estado, nos anos de 2021 e 2022. Ainda revela que os tumores têm chegado para tratamento em estágios mais avançados, principalmente de pacientes que têm câncer de mama ou de intestino.
 
Andrea Cianfarano ressalta que sem o diagnóstico é impossível realizar qualquer medida terapêutica. "Os exames de rastreio são indispensáveis. A partir dos laudos de exames, a paciente pode ter acesso ao tratamento adequado para o seu caso."
 
A Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda a mamografia de rastreamento anual a partir dos 40 anos, para mulheres de risco habitual, e a partir dos 30 anos para mulheres de alto risco. Aquelas que apresentam qualquer tipo de sintoma devem procurar auxílio médico o mais rápido possível, inclusive as jovens.
 
É o caso de Camila Vaticola dos Santos, que conta como o diagnóstico precoce foi primordial para o seu caso. “Foi considerado de alto risco, pois eu descobri o câncer muito cedo, aos 23 anos. Senti um carocinho no banho e no dia seguinte já busquei auxílio médico. Se não tivesse dado bola para aquele carocinho, talvez hoje eu não tivesse mama. Se eu tivesse esperado um ou dois meses para buscar o médico eu poderia ter passado por uma mastectomia, porque aquele carocinho teria crescido e se transformado em um nódulo maior. Hoje, cinco anos depois, estou bem, recebi o presente de ter engravidado e sou mãe”, comemora.

MEDO
A Clínica Imax está organizando uma campanha, que tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da realização desse exame, tornando-o mais acessível para as mulheres.
 
Cristiane Spadoni, radiologista e idealizadora da campanha, conta que é muito comum o relato de medo das mulheres que precisam fazer a mamografia. “Receio de sentir dor ou de receber o diagnóstico de câncer. Nosso trabalho tem o objetivo de mostrar que o câncer de mama pode ser curado, principalmente se identificado no início. Além disso, o desconforto da mamografia é rápido e passageiro e traz benefícios imensos, que podem garantir a saúde e a vida da paciente.” (Fonte: Estado de Minas)

Notícias Feeb/PR

COMPARTILHE

NOTÍCIAS RELACIONADAS